Tudo azul na chiquérrima Côte D’Azur

por | abr 14, 2015

Savoir Vivre. Na Côte D’Azur é assim, as pessoas sabem viver. E bem. 

Montei minha base em Nice, onde meu pai estava estudando francês. As cidadelas da Riviera Francesa são todas pertinho umas das outras e bem servidas de transporte público, então, escolher uma cidade e fazer dela sua base é o ideal. Nice tem localização estratégica pra explorar as cidades medievais, como Saint Paul de Vence e Eze e a região de baías, como Mônaco e Menton.

Foram seis dias na Côte D’Azur, entre as cidades medievais e o azul do Meditârreo. Esse é o tempo mínimo necessário pra conhecer bem a região. As dicas do meu pai, que já estava lá há alguns dias, e do mestre das viagens, Ricardo Freire, do blog Viaje na Viagem, foram valiosíssimas pra eu montar meu roteiro #durezanariqueza

Eu não fiquei seis dias seguidos na Riviera Francesa, pois tinha um casamento na Toscana no meio do caminho (conto sobre isso nesse post aqui). Levando em consideração tempo x grana, minha sugestão de roteiro é:

Dia 1 – Nice
Dia 2 – Grasse + Cannes (pernoite Nice)
Dia 3 – Saint Paul de Vence + Antibes (pernoite Nice)
Dia 4 – Eze + Mônaco (pernoite Nice)
Dia 5 – alguma praia paradisíaca (fui na Spiaggeta del Balzi Rossi) (pernoite Nice)
Dia 6 – Nice

Ué, mas cadê Saint Tropez? Galera, eu tive que escolher. Não foi dessa vez que fui fazer a rica na terra de Brigitte Bardot.

Mas vamos ao que interessa:

 

Nice 

A principal linha de ônibus de Nice é a Ligne D’Azur. Os ônibus circulam das 5AM à 1:30AM em vários horários, sempre pontualmente. A passagem unitária custa €1,50 e serve pra ônibus e bonde, mas existem diversos planos onde se pode economizar (clica aqui).

Há ônibus direto do aeroporto pro centro da cidade (nº 99) por €6,00. Viagem de 20 minutos, num ônibus super confortável. Portanto, não tem necessidade de se pegar táxi.

Importante: sempre validar seu bilhete nas máquinas dentro dos ônibus e do bonde pra não correr o risco de tomar uma multa.

Fiquei hospedada no bairro de Cimiez, num apartamento alugado pelo AirBnB, a três quadras do Museu Matisse e a dez minutos de ônibus da Place Massena, a principal da cidade. Como meu pai alugou o apartamento por 7 semanas, o preço da diária ficou super em conta (€32,00).

Nice

O Bairro é lindíssimo, mas pra quem vai ficar pouco tempo na cidade, sugiro que fique próximo à Place Masséna, à Vieux Nice ou à Estação de trem, pra tornar a logística mais fácil.

Nice é linda, silenciosa, limpa, cheirosa, segura, tipicamente francesa. Uma daquelas cidades que dá vontade de morar, de tão organizada. As pessoas falam baixo, respeitam o espaço umas das outras, igualzinho o Brasil #SQN.

A Avenue Jean Medécin é a principal rua da cidade e liga a estação de trem à Place Masséna. É lá que ficam as grandes lojas e as Galleries Lafayette. Vale andar de uma ponta a outra e olhar a moda.

Nice

Tive a sorte de pegar as Galleries Lafayette em promoção e consegui bons achados (nada comparado ao que se consegue nos USA, claro!). Mas o bom mesmo de comprar na França fica nas farmácias e supermercados. Produtos de pele da Vichy, La Roche Posay, Lancôme a valores imbatíveis. No Monoprix, o principal supermercados de Nice, o vinho Bordeaux, a mostarda com mel e a geleia de damasco vão te fazer voltar com 15kg a mais na mala (no caso, eu voltei). Pensando bem, é melhor deixar esse passeio pro seu último dia na cidade.

No final da Jean Medécin fica a Place Masséna e, logo ao lado, a Promenade du Paillon. Durante os meses quentes do ano, as crianças brincam e se refrescam no chafariz dançante. É um ótimo lugar pra descansar e comer um sanduíche, como os próprios franceses costumam fazer.

Pertinho dali fica a Promenade des Anglais (a orla de Nice), uma das ruas mais famosas da França. Onde as pessoas ficam horas e horas sentadas nas tradicionais cadeiras azuis, contemplando o Mediterrâneo. A praia é de pedrinhas, o mar é gelado, mas isso só acrescenta à boa atmosfera do lugar.

Nice

Caminhar na Promenade é delicioso e vale esticar até a Colina do Castelo, que fica na ponta esquerda da praia. Você pode subir pelas escadas ou pelo elevador (que é gratuito, mas fecha às 17h). Lá em cima tem um pracinha linda e vista pros dois lados de Nice – a Promenade e o Porto. É o melhor mirante da cidade.

Cansou de lá? Então desce e já fica pela Vieux Nice ou Velha Nice, onde rola o agito (mesmo que Nice não seja uma cidade muito jovem e agitada).  O bairro é super charmoso, cheio de bares e restaurantes deliciosos. Me lembrou muito o bairro gótico de Barcelona.

No jantar, entre as centenas de restaurantes, escolhemos um que não me lembro o nome nem à pau. Entrada (abobrinha e berinjela fritas) + prato principal (filé de pato mal passado com batata ao forno e berinjela) + sobremesa (creme caramel) + taça de vinho por €23,00. Comida DOS-DEUSES.

Colina do castelo de Nice

Outro restaurante sensacional é o Luna Rossa (3 Rue Chauvain), indicado pela amiga Ariella. Comi uma das melhores pastas da minha vida – Raviolli com cogumelos + taça de vinho da casa + Limoncello – por €19,00. O atendimento é um tanto lento, mas vale pela qualidade da comida.

Se você gosta de museus, Nice têm alguns que me disseram ser imperdíveis, mas que infelizmente não consegui ir. O Matisse, instalado num casarão do século 17 com lindas oliveiras plantadas no jardim, o Marc Chagall, considerado um dos melhores de toda a França, e o Museu de Arte Moderna e Contemporânea, com obras de Roy Lichtenstein, Andy Warhol, Francis Bacon e Calder são alguns deles.

Se você fizer de Nice sua cidade base, como eu fiz, dá pra conhecer tudo com bastante calma, como manda a boa vida de lá.

 

Grasse + Cannes 

O trem de Nice pra Cannes leva cerca de 40 minutos e custa €20,00 (ida e volta) . Com esse mesmo bilhete você pode pegar um trem pra Grasse e, depois de passear pela cidade, pegar outro trem pra Cannes.

De todas as cidades da Côte D’Azur, Grasse foi a que menos me encheu os olhos. O centro histórico pode ser percorrido em uma hora. Pra chegar lá tem que pegar o ônibus que sai da frente da estação de trem (€1,50).

Grasse

A principal atração da cidade é a fábrica da Fragonard,  uma das perfumarias mais tradicionais da França, onde você pode fazer um perfume exclusivo por alguns bons Euros. Ouvi dizer que os perfumes fabricados ali não são exportados, ou seja, apenas na França você pode comprar.

O tour na perfumaria é bem legal e a loja é uma tentação, com colônias, perfumes, sabonetes, essências. Lavanda da mamãe garantida!

Grasse

Acabou o tour? Então pode voltar pra estação e seguir em direção a Cannes. O trem pra lá sai de hora em hora.

A cidade dos festivais é cheia de lojas luxuosas e pessoas elegantíssimas. Caminhar pela Croissette é puro glamour e desfilar pelo tapete vermelho do Palácio dos Festivais fez eu me sentir a própria Scarlet Johansson.

O final da Croisette vai dar na área mais antiga de Cannes,  o bairro de Suquet. Acho que vale separar uma graninha pra jantar em algum dos restôs charmosos (e caros) que tem por lá. Eu, #durezanariqueza, fiquei só no sanduba.

Cannes

O mais legal de Cannes é se perder pelas ruas desse bairro. A vista lá de cima é a melhor de todas e o pôr-d-sol é magnífico.

Valor do passeio por conta própria: €35,00. Inclui transporte (trem Nice – Cannes – Nice com parada em Grasse + ônibus em Grasse) + refeição (sanduíches + refrigerante)

Valor do passeio guiado: Média de US$65,00 (sem refeições), 4h de tour

 

Saint Paul de Vence + Antibes

Andar pelas ruas de uma das cidades medievais mais charmosas do sul da França é uma viagem no tempo. Saint Paul de Vence é encantadora, cheia de galerias de arte com peças de design e objetos de decoração, lojas de artesanato provençal, de biscoitos, azeites, sabonetes. Difícil sair sem comprar nada!

De Nice pra lá leva cerca de uma hora de ônibus (nº400, passa na orla e custa €1,50). Dá pra rodar toda a cidade em duas horinhas, a menos que você queira entrar em todas as galerias de arte e eu juro que vou te entender se fizer isso. Afinal, lá é um reduto de artistas plásticos talentosíssimos. Só não reclame se todo seu dinheiro acabar por ali.

Almoçamos no restaurante Thé Artiste (3, Montée de L’Église), um cantinho escondido entre os arcos dos medievais, onde o plat du jour (ou prato do dia) – lasagna + salada + taça de vinho – saiu por €14,00.

A dica é chegar cedo na cidade, porque ela vai lotando ao longo do dia. E não se preocupe com mapas ou guias, você não vai precisar.

Saint Paul de Vince

De Saint Paul de Vence pra Antibes você pega o mesmo ônibus nº 400, por €1,50. O cenário de Antibes é inspirador e a cidade é cheia de surpresas e tem uma atmosfera mais jovem. Se por um lado é cercada de iates luxuosos, por outro tem um centrinho histórico que é puro charme (foi um dos meus preferidos).

O Port de Antibes é o maior porto de iates particulares da Europa e impressiona tanto quanto o de Mônaco no quesito “aqui tem milionário”.  Saindo do porto e seguindo pela orla você chega até o Museu Picasso. Não entrei porque já tinha ido a outros museus repletos de sua obra, mas o de Antibes dizem ser muito bom.

O mercado Provençal de Antibes é de babar. Funciona de terça a domingo, das 6h às 13h. Repleto de sabores de lamber os beiços, ervas, especiarias, frutas, queijos, geleias.

Mas o mais legal da cidade é se embrenhar pelo centro histórico. Cheio de lojinhas com aqueles produtos provençais um mais lindo que outro, prédios com flores na janela, cafés… coisa linda!

Dica pra compras: Au gré du Jour. Uma lojinha que fica na Place Nationale e que vende cada coisinha tão linda, que escorre uma lágrima do meu olho esquerdo só de lembrar. Clica aqui pro mapa.

Valor do passeio por conta própria: €34,00. Inclui ônibus (Nice – Saint Paul de Vence – Antibes – Nice) + Refeição (almoço em St. Paul + sanduiche em Antibes + sorvete)

Valor do city tour em grupo desde Nice: média de US$65,00 (sem refeições), 4h de tour

 

Eze + Monaco

De Nice pra Mônaco você pode pegar o ônibus nº82 ou 112 (€1,50), na Garre Routieèe (fica na parada Vauban do tram). Esse ônibus passa pelo vilarejo de Eze e é ali a sua primeira parada. Prepare a câmera assim que entrar no ônibus. Você vai passar por uma estrada que bota qualquer Rio-Santos no chinelo.

Eze é um vilarejo medieval debruçado na beira de um penhasco do mar Mediterrâneo e mais parece cenário de filme (como tudo na Europa).

O passeio pela vila já vale a visita, mas destaco alguns pontos: o Jardin Exotique (€6,00), de onde se tem uma vista estonteante e a varanda do Chateau Eza (onde tomei a cerveja mais cara da minha vida – €10 – só pra fazer uma pose ‪#‎durezanariqueza). Em uma/duas horas você percorre todo o vilarejo. Depois, se quiser gastar, vai tomar um café ou uma cerveja no Chateau Eza.

De Eze pra Mônaco você pega o mesmo ônibus (82 ou 112). O principado respira riqueza e ostentação. E a graça de visitar Mônaco sem dinheiro é exatamente essa, ter contato com aquele mundo que a gente só vê na TV.

Ferraris e Lamborghinis em toda esquina, iates que mais parecem navios particulares. Meti meu blazer Robertão, botei um lenço na cabeça e fiz a fina pra ver o Djokovic jogar no ATP 1000 de Monte Carlo, um torneio de tênis lindíssimo, chique na medida.

Torneio de tenis de Monte Carlo

Afora o lado milionário de Monaco, vale caminhar pela orla da cidade e conhecer o Jardim Japonês, com cerejeiras floridas e lindos bonzais.

Além disso, fazer o circuito da F1 à pé é pura emoção pra uma apaixonada por esportes como eu. Durante anos, acordei cedo aos domingos só pra ver Ayrton Senna passando pelo túnel mais famoso do mundo, pela Chicane e pelo Cassino. E, como era abril, ainda tivemos a sorte de ver o circo da F1 sendo montado.

Monaco

Se quiser comer por lá, prepare os bolsinhos. Eu não me atrevi. Ser quiser se arriscar no Cassino, boa sorte. Mas se quiser voltar pra casa, sugiro voltar de trem, que chega em 30 minutos em Nice.

Valor do passeio por conta própria: €41,00. Inclui transporte (Nice – Eze – Monaco – Nice) + refeição (sanduiches + refri) + entrada no Jardin Exotique + cerveja na varanda do Chateau Eze

Valor do passeio guiado: média de US$60,00 (sem refeição e sem entrada nas atrações), 4h de tour.

 

Menton + Balzi Rossi

Minha passagem por Menton tinha um objetivo: encontrar a praia desconhecida que havia visto da janela do trem no meu retorno da Itália. Peguei o trem de Nice pra lá (€6,00) e fui caminhando (muito) em direção à Itália. Uns 40 minutos depois, já na Itália, eis que encontro a praia dos meus sonhos. Spiaggetta dei Balzi Rossi. Um deslumbre!

balzi rossi

E fiquei por ali um bom tempo. Contemplando. Savoir vivrendo entre italianos e franceses.

É ou não é um deslumbre? Toda vez que penso nesse azul meu coração bate apaixonadamente.

Mas Menton vale uma visita além da praia. A cidade é uma calma, gostosinha, com uma rua principal cheia de lojinhas com produtos provençais de comer, beber, decorar. Ótimos restaurantes e sorveterias. Deve ser bom morar por ali.

Valor do passeio por conta própria: €20,00. Inclui transporte (Nice – Menton – Nice) + Refeição (sanduiche + sorvete)

Valor do passeio guiado: que inclua a praia não tem nenhum. Vi um que inclui Monaco e Italian Market por US$100,00

Gostou do Post? Compartilhe!

– organize sua viagem e ganhe descontos –

Fazendo suas reservas pelos nossos links, você recebe descontos, nós ganhamos uma pequena comissão dos nossos parceiros e todo mundo viaja feliz.

leia também: