O melhor do complexo de Angkor, no Camboja

por | maio 8, 2017

Angkor

Antiga capital do Império Khmer, que abrangeu quase todo Sudeste Asiático entre os séculos 9 e 12, o complexo de templos de Angkor é um must go do Camboja.

Foi somente em 1992, quando o local se tornou Patrimônio Mundial da Unesco e começou a receber doações de instituições internacionais para a recuperação das ruínas, que Angkor se abriu para o turismo. Hoje, quase três décadas depois, é uma das atrações mais concorridas do Sudeste Asiático.

Siem Reap é a cidade que serve de base para explorar os templos. Além do famoso Angkor Wat, que é o mais famoso deles, há dezenas de outros templos que se estendem pelos 400 km² de extensão. Você vai precisar de, pelo menos, 2 dias para conhecer tudo.

 

Tickets

Você pode escolher entre os passeios de 1, 3 ou 7 dias. O que vale mais à pena financeiramente é o de 3, mesmo que você não pretenda passar 3 dias por lá.  Os valores variam de USD37,00 a USD72,00 e você pode comprar os ingressos nos diversos ticket offices espalhados por Siam Reap (pergunte no seu hotel qual local mais próximo a você).

 

Meios de transporte para visitar Angkor

Existem diversas formas de se conhecer os templos. A mais comum é de tuk-tuk. Os preços podem variar de USD15,00 a USD20,00 o dia. É a maneira mais cômoda de fazer o tour, mas um pouco mais “engessada”. Importante pedir indicação no seu hotel e certificar-se de que seu motorista, que também te servirá de guia, fala inglês e vai fazer o roteiro que você escolher, e não simplesmente seguir o roteiro que ele tem em mente (que, consequentemente, é aquele lotado de turistas).

Aviso: Quando o motorista de tuk-tuk deixa você na frente de um templo ele espera que você gaste algum tempo dentro dele, então é bem capaz de que se você voltar mais cedo ele esteja tirando uma soneca ou tenha ido lanchar. Não se preocupe, ele vai voltar em algum momento.

O jeito mais barato de visitar Angkor e que te dá mais liberdade é de bicicleta. Os preços que variam de USD 1,00 a USD 5,00, mas é preciso ter disposição! No percurso maior você pode chegar a pedalar 40 km. Para os que não gostam de um bom exercício, também é possível alugar bicicletas elétricas em lojas como a Greene-Bike, mas tem o porém de que você não poder ir tão longe com elas sem ter que recarregar a bateria.

O tour guiado de ônibus também é uma opção para se visitar os templos. Basicamente, existem dois tipos: um grande e um pequeno. No passeio está incluído o transporte, que te busca e te deixa no hotel, e um guia falando inglês.

 

Como visitar os templos

Antes de começar o tour pelo Complexo de Angkor vale visitar o Museu Nacional. Ele é pequeno, moderno e cuidadosamente curado para lhe dar uma ideia de como foi viver no Império Khmer. Duas horinhas são suficientes pra você ter uma boa perspectiva e poder visitar os templos munido de informação e cheio de curiosidade. Certifique-se de usar o guia de áudio fornecido pelo museu.

Dentro do complexo de Angkor, a maioria dos visitantes seguirá o mesmo itinerário, começando o passeio com o nascer do sol em Angkor Wat, seguindo o mesmo caminho ao redor e dentro dos templos. Mas saiba que não há regras contra você escolher seu próprio caminho. Aliás, é isso que te sugiro fazer.

Nós decidimos fugir da multidão e não ver o nascer do sol em Angkor Wat. Pegamos caminhos alternativos, indo contra o fluxo de turistas tanto dentro contra fora dos templos. Vale a pena procurar por passagens escondidas, subir em locais mais altos e vazios, explorar locais que não tem gente… uma vez lá dentro você pode caminhar por todos os lados sem problemas.

LEIA TAMBÉM: PHNOM PENH, O CAMBOJA DA VIDA REAL E AUTÊNTICA

 

Dia 1

Angkor Wat

O mais famoso deles e um dos mais bonitos. Não deixe de andar pelas paredes que formam a base do templo, desça e suba, vire pelos corredores e explore cada pedacinho de Angkor Wat, reparando nos desenhos gravados nas paredes. Eles são impecavelmente lindos.

angkor wat

Bayon

Com 51 torres, seu traço marcante são os enormes rostos da Avalokiteshvara, uma das figuras mais populares do budismo, além dos milhares de desenhos esculpidos em pedra. Dá pra ficar um tempão ali explorando os corredores. Um dos meus preferidos.

Bayon

Baphuon

Conhecido como o maior quebra cabeça do mundo, pois foi totalmente devastado durante os anos do Khmer Vermelho e anos depois remontado pelos especialistas da École Française, é um templo em formato de pirâmide, que representa o Monte Meru, sagrado no hinduísmo.

Ta Prohn

O famoso templo invadido por árvores do filme Tomb Raider, é de cair o queixo. Tenha em mente que você é livre para explorar a maior parte do templo e não precisa ficar no caminho principal. Dê a volta e entre pelos fundos, por exemplo. Suba em algumas paredes e atravesse os buracos, algumas áreas são escondidas do turista, mas não são proibidas para os exploradores. Lembre-se: você deve dizer ao seu motorista de tuk-tuk para esperá-lo exatamente onde ele o deixou, senão ele dirigirá para o outro lado do templo e esperará por você lá.

ta prohn

Dia 2

Preah Kahn

Um antigo monastério budista que já abrigou mais de 1000 monges. Há muito para ver em torno deste templo, muitas árvores crescendo em meio às paredes, mas ao contrário de Ta Prohn, elas estão escondidas do caminho principal.

Phnom Bakheng

É um dos primeiros grandes templos construídos na área, erguido em forma piramidal no alto de uma colina, com bela vista pra Angkor. 

Banteay Kdei

É um templo tão grande que tem duas entradas e um antigo monastério budista lindamente decorado. Do outro lado está Srah Srang, um grande lago com uma plataforma que abriga esculturas de leões e serpentes. As árvores parecem saídas de filmes de contos de fada, prateadas, monumentais e gigantescas.

Elephant Terraces

Como indica o nome, são terraços de 350 metros com desenhos de elefantes gravados, antigamente usados pra abrigar a plateia em cerimônias do império.  Esse é um bom local para descansar, fazer um pic-nic ou comer em algum dos food trucks que tem por lá. 

Prasat Pre Rub

Esse templo foi edificado em homenagem à deusa Shiva. Ele tem vários terraços onde é possível subir até as torres e admirar a vista do local.

 

Dia 3

No último dia, se ainda tiverem pique de visitar tantos sítios arqueológicos, sugiro que visitem os templos mais afastados.

Um deles é o Phnom Bok, a 17 km de Angkor Wat. São 635 degraus da escadaria pra chegar ao topo, mas a vista é recompensadora. Leve comidas e bebidas e faça um pic-nic por lá.

Banteay Samre também é lindo. Tem o mesmo estilo de Angkor Wat.

Já Banteay Srei é formado por três torres de rochas avermelhadas que acredita-se terem sido talhadas por mulheres.

 

Lembre-se: você pode tanto fazer o roteiro indicado pelo motorista do tuk-tuk, quanto seguir seu próprio ritmo. Não se obrigue a visitar todos os templos se não tiver vontade.

Importante também saber que trata-se de um lugar sagrado e é preciso respeitar os costumes locais. Não use roupas acima do joelho e cubra os ombros.

Leve bastante água, comida, chapéu e passe protetor solar. Sua saúde agradece!

Gostou do Post? Compartilhe!

– organize sua viagem e ganhe descontos –

Fazendo suas reservas pelos nossos links, você recebe descontos, nós ganhamos uma pequena comissão dos nossos parceiros e todo mundo viaja feliz.

leia também: